Barriga de grávida

Tudo sobre Fertilização in vitro
 

É possível reverter a laqueadura?


laqueadura, reverter laqueadura, filhos apos a laqueadura, quero engravidar e não consigo, infertilidade, infertilidade masculina, infertilidade feminina, tratamento infertilidade, fertilizacao in vitro, inseminacao artificial, fiv, tratamento para engravidar, tratamento de reprodução assistida, tratamento de reproducao humana, medico de fertilidade, fertilidade,

Um filho no novo casamento ou a vontade de aumentar a família em um momento de estabilidade pode encontrar um obstáculo: a laqueadura feita quando a mulher era mais jovem. Nestes casos, o ginecologista Paulo Padovani, da equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, traz um alento: o empecilho pode ser resolvido com o auxílio da medicina reprodutiva.

Segundo o médico, a laqueadura é um procedimento que apresenta em torno de 50% de chances de sucesso em sua reversão. Em alguns casos, se realizada com cuidados microcirúrgicos, pode chegar a uma taxa de reversão com 70%-80% de incidência de gravidez.

A reversão de laqueadura consiste na reconstrução microcirúrgica das tubas uterinas realizada com o auxílio de um microscópio cirúrgico e instrumentos especiais. O procedimento deve ser realizado por um especialista com habilidade e treinamento necessários para a delicadeza e o sucesso da cirurgia.

Mas alguns fatores precisam ser avaliados, com a ajuda de um especialista em medicina reprodutiva, antes de optar pelo procedimento. A idade, como fator limitante, é preponderante. “Quando a mulher é mais velha, existem outras técnicas que podem trazer resultados mais rápidos e satisfatórios do que a laqueadura”, afirma Paulo Padovani.

Na análise, também devem ser levados em consideração o comprimento e a vitalidade dos segmentos de trompas a serem unidos, o método que foi utilizado para realização da laqueadura tubária, a quantidade de tecido de cicatrização na região da cirurgia e a habilidade do microcirurgião.

“Se a mulher é jovem, não há fator masculino e a paciente não apresenta muitas cesáreas, a reversão pode ser uma boa escolha”, declara o ginecologista.

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação