Skip to main content
De 5% a 7% das brasileiras têm hipertensão gestacional

De 5% a 7% das brasileiras têm hipertensão gestacional

A hipertensão gestacional é uma complicação que acompanha entre 5% e 7% das grávidas brasileiras. Classificada como doença hipertensiva específica da gestação (DHEG), também chamada de pré-eclâmpsia, é um fator de risco para a mãe e o bebê.

O médico ginecologista José Higino Ribeiro dos Santos Junior, da equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, explica que não existe uma única causa para o problema.

“O que existe é o consenso de que a doença é resultado, entre outras coisas, da má adaptação do organismo materno a sua nova condição. Outros motivos são a alimentação desequilibrada, com o excesso de sal, e o sedentarismo”, explica.

A pré-eclâmpsia pode ser assintomática, mas, na maioria dos casos, ocorre inchaço de face, mãos e pés (edema), além do ganho excessivo de peso. Na pré-eclâmpsia grave pode aparecer dor de cabeça, distúrbios visuais, dor no epigástrio (estômago) e confusão mental.

Segundo José Higino, a hipertensão gestacional pode repercutir em diversas alterações na gestação, como por exemplo, restrição do crescimento intrauterino fetal, insuficiência placentária e diminuição do líquido amniótico. “Por isso, uma gestação em que as mulheres desenvolvem a pressão alta exige uma série de cuidados”, avalia.

O primeiro passo no tratamento da hipertensão gestacional, segundo o especialista, é monitorar a pressão arterial. Dependendo do caso, recomenda-se o controle da pressão com medicamentos.

“Em todas as situações, a adoção de alimentação e hábitos saudáveis é fundamental para garantir o equilíbrio da gestação”, recomenda.

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação

DR. JOSÉ HIGINO RIBEIRO DOS SANTOS JUNIOR
Ginecologista | CRM 80.719

• Formado em Medicina pela Unicamp
• Especialista em videolasparocopia e videohisteroscopia pela Febrasgo
• Coordenador da residência médica de ginecologia da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Limeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *